- A +

Realização: Amigos do Parque

Conheça o parque nacional mais visitado do Brasil

Dividido em três setores de visitação - Floresta, Serra da Carioca e Pedra Bonita/Pedra da Gávea - o PNT tem opções de programas para todos os públicos: desde áreas para piquenique e churrascos até voo livre, escalada, trilhas e outras atividades. Entre os famosos cartões postais do país, temos o Morro do Corcovado, onde está localizada a estátua do Cristo Redentor, uma das sete maravilhas do mundo moderno, a Vista Chinesa, Pedra da Gávea, Parque Lage e Paineiras.

Equipe

Selecione a área:

Chefe do Parque

Coordenação de Uso Público

Coordenação de Proteção

Coordenação de Manejo

Coordenação de Gestão Socioambiental

Coordenação de Infraestrutura

Assessoria de Comunicação

Chefe do Parque

Carlos Tavares

Coordenação de Uso Público

- Setor de Turismo e Serviços
Mariana Egler (analista ambiental, bióloga)
Denis Rivas (analista ambiental)

- Setor de Trilhas e Esportes
João Felipe Martins (analista ambiental, biólogo)

Coordenação de Proteção

- Setor de Fiscalização
Leonard Schumm (analista ambiental, biólogo MSc - coordenador)
Sérgio Leite (analista ambiental, zootecnista)

- Setor de Prevenção e Combate a Incêndios
João Felipe Martins (analista ambiental, biólogo – gerente de Fogo)

- Setor de Controle de Impactos
Daniel Di Giorgi Toffoli (analista ambiental, geógrafo)

- Setor de Consolidação Territorial
Eduardo Boucinha de Oliveira (analista ambiental, biólogo)

Coordenação de Manejo

- Setores de Pesquisa e Manejo
Katyucha Von Kossel (analista ambiental, bióloga – coordenadora)

Coordenação de Gestão Socioambiental

- Setores de Educação Ambiental e Gestão de Conflitos
Viviane Lasmar

- Programa de Voluntariado
João Felipe Martins (analista ambiental, biólogo)

Coordenação de Infraestrutura

- Setor de Manutenção
André Antunes (servidor cedido - coordenador)

- Setores de Transportes e Comunicação operacional
Pedro Coimbra (servidor cedido – setor de Transporte)

Assessoria de Comunicação

Marcus Vinicius (comunicacao.pnt@icmbio.gov.br)

Gestão compartilhada

A gestão de um Parque Nacional inserido em uma grande metrópole como o Rio de Janeiro não é tarefa simples, principalmente quando se trata da Unidade de Conservação mais visitada do país.

Assuntos diversos como gestão do turismo; usos esportivos, recreativos, culturais, comerciais e religiosos; sensibilização e educação ambiental; fiscalização ambiental, segurança pública e combate a incêndios florestais; pesquisa, manejo e monitoramento; além dos inúmeros acessos para veículos e pedestres; geram diversas questões e demandas no dia a dia do Parque Nacional da Tijuca.

Para encarar esse grande desafio, todas as esferas de governo se uniram em um Acordo de Gestão Compartilhada, que define o papel e a colaboração de cada órgão envolvido. Diretamente subordinado ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio – autarquia do Ministério do Meio Ambiente, a gestão do PNT é realizada de maneira compartilhada entre os governos federal, estadual e municipal.

Para a ordem pública e segurança dos visitantes nas vias, que apesar de estarem em uma área federal são de acesso público e estão inseridas na malha viária da cidade, o PNT conta com o apoio da Policia Militar e da Guarda Municipal. Os vigilantes e monitores do Parque são responsáveis pela conservação ambiental da área e controle de acesso. A manutenção e limpeza conta com equipes do ICMBio, da COMLURB e da SeConserva. A gestão compartilhada conta ainda com a participação do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), Secretaria de Patrimônio da União (SPU) e Mitra Arquiepiscopa

Conselho Consultivo

O Conselho Consultivo é o espaço da participação social e transparência na gestão do Parque Nacional da Tijuca, sendo fórum de expressão, representação e participação dos diversos interesses socioambientais.

Os diferentes setores que interagem com o Parque estão representados por instituições de pesquisa, ONGs ambientais, associações de moradores, operadores turísticos, entidades esportistas, religiosas e órgãos públicos.

A composição do Conselho é renovada a cada dois anos em processos abertos em que cada setor escolhe seus representantes (veja a composição atual do CCPNT). As reuniões são bimestrais (veja as atas das reuniões de 2014) e abertas à participação de todos os interessados. Todos os conselheiros, titulares e suplentes têm direito à voz. A proposta é que os conselheiros conheçam as demandas e visões de outros atores sociais, apresentem e participem da formulação de propostas e entendam a complexidade da gestão de um Parque Nacional. Participe trazendo suas opiniões e contribuições para o fortalecimento da gestão participativa e a conservação do PNT!

O Conselho do Parque Nacional da Tijuca foi criado pela Portaria ICMBio nº 98, de 6 de agosto de 2002, modificada pela Portaria nº 54, de 26 de junho de 2009, e pela portaria nº 74, de 25 de junho de 2012.

Marcos legais para o Conselho Consultivo

A lei que cria o Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC (Lei Nº9985, de 18 de julho de 2000) – estabelece em seu artigo 29 que cada unidade de conservação de Proteção Integral (caso dos Parques Nacionais) deve dispor de um Conselho Consultivo. O regulamento do SNUC (Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002) estabelece como se dará a representação social e quais são as competências dos Conselhos e órgãos gestores em seus artigos 17 a 20: O mandato do conselheiro é de dois anos, renovável por igual período, não remunerado e considerado atividade de relevante interesse público.(§ 5º do art.17)

“Art. 20. Compete ao conselho de unidade de conservação: I – elaborar o seu regimento interno, no prazo de noventa dias, contados da sua instalação; II – acompanhar a elaboração, implementação e revisão do Plano de Manejo da unidade de conservação, quando couber, garantindo o seu caráter participativo; III – buscar a integração da unidade de conservação com as demais unidades e espaços territoriais especialmente protegidos e com o seu entorno; IV – esforçar-se para compatibilizar os interesses dos diversos segmentos sociais relacionados com a unidade; V – avaliar o orçamento da unidade e o relatório financeiro anual elaborado pelo órgão executor em relação aos objetivos da unidade de conservação; VI – opinar, no caso de conselho consultivo, ou ratificar, no caso de conselho deliberativo, a contratação e os dispositivos do termo de parceria com OSCIP, na hipótese de gestão compartilhada da unidade; VII – acompanhar a gestão por OSCIP e recomendar a rescisão do termo de parceria, quando constatada irregularidade; VIII – manifestar-se sobre obra ou atividade potencialmente causadora de impacto na unidade de conservação, em sua zona de amortecimento, mosaicos ou corredores ecológicos; e IX – propor diretrizes e ações para compatibilizar, integrar e otimizar a relação com a população do entorno ou do interior da unidade, conforme o caso”

Mais recentemente foi publicada a Instrução Normativa ICMBio nº 09, de 5 de dezembro de 2014, que disciplina diretrizes, normas e procedimentos para Conselhos Gestores de Unidades de Conservação Federais.

Próximas reuniões do conselho

10 mar | 12:00

Reunião do Conselho Consultivo

Paineiras

Quer ficar por dentro do que acontece no Parque?

Ao se inscrever, você concorda em receber notícias e informações do Parque Nacional da Tijuca e de nossos parceiros. Clique aqui para visitar nossa Política de Privacidade. Mas não se preocupe, se mudar de ideia, links de cancelamento são fornecidos em todos os e-mails.

Voltar ao topo

SedeEstrada das Paineiras, S/N | Santa Teresa
Rio de Janeiro - RJ | CEP: 22241-330

SedeEstrada da Cascatinha, 850 | Alto da Boa Vista
Rio de Janeiro - RJ | CEP: 20531-590
Telefones: 2492-2252 / 2492-2253 / 3883-8800

© 2020 - Parque Nacional da Tijuca

Desenvolvido por Outlab.